De outros

10 fatos incríveis sobre o desperdício de alimentos na América

10 fatos incríveis sobre o desperdício de alimentos na América



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Você não vai acreditar em quanta comida é desperdiçada a cada ano

iStockPhoto / Thinkstock

O pessoal da Sealed Air divulgou recentemente os resultados de sua Pesquisa de Resíduos de Alimentos de 2014, e os números são impressionantes. Embora a demanda global por alimentos tenha aumentado exponencialmente à medida que a população dos países em desenvolvimento dispara, mais de um terço de todos os alimentos produzidos nos EUA são simplesmente jogados no lixo. E embora os americanos estejam cada vez mais cientes da questão do desperdício de alimentos, uma porcentagem chocante deles se recusa a admitir que são parte do problema.

10 fatos incríveis sobre o desperdício de alimentos na América

iStockPhoto / Thinkstock

O pessoal da Sealed Air divulgou recentemente os resultados de sua Pesquisa de Resíduos de Alimentos de 2014, e os números são impressionantes. E embora os americanos estejam cada vez mais cientes da questão do desperdício de alimentos, uma porcentagem chocante deles se recusa a admitir que são parte do problema.

O que jogamos fora

A cada ano, os americanos jogam fora mais de 50 milhões de toneladas de alimentos. Isso é mais de 20 por cento de todo o lixo municipal e o maior contribuinte para aterros.

Resíduos de água doce

Desperdiçamos mais de 25% de nossa água potável. Feche a torneira quando você estiver escovando os dentes!

O que isso nos custa

Desperdício custa à família média $ 2.000 por ano.

Duplamente Ruim

A quantidade de comida desperdiçada por pessoa dobrou nos últimos 40 anos.

Quanto custa isso?

$ 160 bilhões em alimentos Está desperdiçado nos EUA todos os anos.

Muitos burritos

160 trilhões de calorias são desperdiçados todo ano.

Ficar com fome sem motivo

Visão Digital / Thinkstock

A comida desperdiçada na América a cada ano poderia fornecer 3 refeições por dia para 172 milhões de pessoas e aumentar 10 vezes essa quantidade por fome.

Não há motivo para preocupação?

iStock / Thinkstock

Apenas 34 por cento de compradores de mercearia estão preocupados com o desperdício de alimentos em suas próprias casas, mas quase 50% admitem que os consumidores são parte do problema.

Reconheça o problema

iStock / Thinkstock

30 por cento reconhecem que sua casa desperdiça mais do que deveria. A porcentagem real daqueles que desperdiçam comida é muito maior do que isso; 78 por cento dizem que comida jogada fora nos últimos 6 meses.

Embalagem não é lixo

iStock / Thinkstock

Embalagem contribui para a preservação dos alimentos, não para o desperdício. Quase 90% dos compradores acham que o material de embalagem é mais prejudicial ao meio ambiente do que alimentos descartados, mas na realidade embrulhar um pepino pode aumentar sua vida útil em quase duas semanas, aumentando muito suas chances de não ser desperdiçado.


10 fatos incríveis sobre a América

Vivemos e trabalhamos nos Estados Unidos, mas o quanto realmente sabemos sobre nosso país?

Vivemos e trabalhamos nos Estados Unidos, mas o quanto realmente sabemos sobre nosso país?
Aqui estão 10 fatos menos conhecidos sobre a América.

Número 10. Ohio não se tornou realmente um estado até 1953. Devido a um descuido, não foi oficializado como deveria ter sido há bem mais de cem anos. Por fim, um deputado estadual pediu sua aprovação e data retroativa, o que foi feito.

Número 9. Algumas correspondências ainda são enviadas por cavalos e mulas. É a única maneira consistentemente confiável de levá-lo aos residentes do Arizona que vivem no fundo do Grand Canyon. A caminhada de cima a baixo tem 13 quilômetros de extensão e é regularmente feita por uma equipe de até 50 animais.

Número 8. Os biscoitos da sorte são tão americanos quanto batatas fritas gigantescas. Apesar de sua presença onipresente em restaurantes chineses, eles realmente têm pouco ou nada a ver com a China. Eles foram inventados na Califórnia. Eles apareceram no início de 1900 e é amplamente acreditado que eles eram, na verdade, baseados em uma sobremesa japonesa.

Número 7. Talkeetna, no Alasca, tem um gato como prefeito. Seu nome é Stubbs e ele tem dirigido os negócios da cidade - o que é pouco relatado - desde 1997. Seu mandato não foi isento de problemas, no entanto.

"Prefeito honorário de Talkeetna, o Sr. Stubbs está se recuperando após um relato de ataque de um cachorro." [KTVF]

Número 6. Número 6. Quando Atlanta foi fundada em 1837, era simplesmente chamada de 'Terminus'. 6 anos depois, foi atualizado para Marthasville, uma homenagem à filha de um governador anterior. Esse nome também não pegou e em pouco tempo foi oficialmente incorporado como Atlanta.

Número 5. O Walmart realmente está em toda parte. 90 por cento dos americanos moram a 15 minutos de uma loja, e 96 por cento dos residentes do país podem chegar a uma viajando 20 milhas ou menos.

Número 4. Muitas coisas feitas nos Estados Unidos são exportadas e parte do que é enviado para outros países é surpreendente. O Brasil arrecada 1,3 bilhão de dólares em cereais, enquanto cerca de 470 milhões em perfumes e cosméticos vão para a Austrália e quase meio bilhão em resíduos de alimentos e ração animal na Indonésia.

Número 3. Quando se trata das empresas mais admiradas do mundo, os EUA têm uma grande pontuação. Todos os 10 primeiros lugares são ocupados por empresas americanas. Liderando a lista estão Apple, Amazon e Google.

Número 2. Os EUA gostam mais de leitura do que as pessoas pensam. As bibliotecas públicas superam as franquias do McDonalds em quase 4 mil.

Número 1. Inglês não é o idioma oficial dos Estados Unidos. Na verdade, não existe um. Algumas cidades e estados fizeram movimentos para instituir um, mas no nível federal, tal coisa não existe.


Desperdício de alimentos na América em 2021

Com funcionários trabalhando em casa, alunos aprendendo remotamente e pessoas pedindo comida para viagem para sustentar seus restaurantes locais, as contas de comida dispararam1 à medida que as famílias gastavam mais tempo & # 8211 e faziam mais refeições & # 8211 em casa. Nos Estados Unidos, o aumento nos gastos com alimentos geralmente se traduz em mais desperdício de alimentos. Mesmo na pré-pandemia, desperdiçávamos enormes quantidades de comida todos os dias do ano.

Os alimentos ocupam mais espaço nos aterros sanitários dos EUA do que qualquer outra coisa. 17

Os fatos sobre o desperdício de alimentos

Quanta comida é desperdiçada na América?

Quanta comida os americanos desperdiçam? Aqui estão alguns “alimentos” para reflexão: enquanto o mundo desperdiça cerca de 1,4 bilhão de toneladas de alimentos2 todos os anos, os Estados Unidos descartam mais alimentos do que qualquer outro país do mundo: quase 40 milhões de toneladas - 80 bilhões de libras - a cada ano. 3 Isso é estimado em 30-40 por cento de todo o suprimento de alimentos dos EUA, 4 e equivale a 219 libras de lixo por pessoa. 5 É como cada pessoa na América jogando mais de 650 maçãs de tamanho médio direto no lixo - ou melhor, direto em aterros, já que a maioria dos alimentos descartados acaba lá. Na verdade, os alimentos são o maior componente que ocupa espaço dentro dos aterros sanitários dos Estados Unidos, 6 representando 22% dos resíduos sólidos urbanos (RSU). 7

Globalmente, desperdiçamos cerca de 1,4 bilhão de toneladas de alimentos todos os anos. 15

Por que desperdiçamos tanta comida?

Antes do COVID-19, estimava-se que 35 milhões de pessoas em toda a América - incluindo 10 milhões de crianças - sofriam de insegurança alimentar. 8 Espera-se que esse número aumente para até 50 milhões de pessoas9 em 2021, devido à queda do emprego e às consequências financeiras da pandemia. Com tantas pessoas sofrendo que precisam de quantidades básicas de comida, por que os americanos desperdiçam tanto de sua abundância alimentar? Chegar ao fundo do que causa o desperdício de alimentos na América é um desafio que atravessa as paisagens complexas de disparidades socioeconômicas, confusão e crenças arraigadas, com camadas de comportamentos e hábitos humanos. A deterioração dos alimentos, seja real ou percebida, é um dos principais motivos pelos quais as pessoas jogam fora os alimentos. Mais de 80 por cento10 dos americanos descartam alimentos perfeitamente bons e consumíveis simplesmente porque não entenderam os rótulos de validade. Rótulos como "vender por", "usar até", "expira em", "melhor antes" ou "melhor até" são confusos para as pessoas - e em um esforço para não arriscar o potencial de uma doença transmitida por alimentos, eles jogam fora no lixo.

Mais de 80% dos americanos descartam alimentos perfeitamente bons por não entenderem os rótulos de validade. 19


Em comparação com o resto do mundo, a comida nos Estados Unidos é abundante e menos cara, e muitas vezes isso contribui para um sentimento geral de não apreciá-la ou valorizá-la como outras comunidades ao redor do globo.

Os americanos costumam ser impulsivos em suas compras de alimentos, avaliando de forma irreal a quantidade de comida necessária e, como resultado, comprando mais alimentos do que precisam ou comprando alimentos que realmente não comem.

Nossa sociedade de comida para viagem não usa os alimentos em sua totalidade como nossos ancestrais costumavam fazer. Nós subutilizamos as sobras e jogamos restos de comida que ainda podem ser consumidos ou compostados.

A compostagem não faz parte da nossa rotina de preparação de alimentos, por isso continuamos a adicionar combustível ao fogo para aumentar o tamanho dos aterros nos Estados Unidos.

Os americanos descartam mais alimentos do que qualquer outro país, quase 40 milhões de toneladas - ou 30-40% de todo o suprimento alimentar dos Estados Unidos. 16

Mudando as leis para conter tanto desperdício

A boa notícia é que vários estados do país estão tomando medidas para conter o desperdício de alimentos e obter sua recuperação. Legisladores na Califórnia, Connecticut, Massachusetts, Nova York, Rhode Island e Vermont aprovaram leis 11 que restringem a quantidade de resíduos alimentares que vai para aterros sanitários. A "Lei de Reciclagem Universal" de Vermont entrou em vigor em julho de 2020, banindo totalmente o desperdício de alimentos. De acordo com o Vermont Foodbank, como resultado da nova lei, as doações de alimentos em todo o estado aumentaram 40%.

Há legislação pendente na Califórnia, Colorado e Massachusetts que estabeleceria programas para financiar programas de compostagem e coleta orgânica do setor privado.8 Além disso, vários estados como Tennessee e Washington, e cidades como Los Angeles e Madison, Wisconsin, criaram desperdício de alimentos forças-tarefa para reduzir o desperdício, criando educação e infraestrutura de compostagem e eliminando o desperdício de alimentos em aterros sanitários dos Estados Unidos.

Em 2019, o Departamento de Saneamento da cidade de Nova York expandiu suas regras de separação de orgânicos, propondo que ainda mais empresas relacionadas a alimentos seriam obrigadas a separar os resíduos orgânicos em um esforço para manter quase 100.000 toneladas de alimentos desperdiçados fora dos aterros sanitários a cada ano.

Os esforços da cidade e do estado estão chegando aos sistemas escolares dos EUA também - Maine e Rhode Island introduziram legislação para reduzir a quantidade de desperdício de alimentos nas escolas. Em nível nacional, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) estabeleceram uma meta em 2015 para reduzir o desperdício de alimentos pela metade até 2030.

Antes da pandemia, 35 milhões de pessoas em toda a América tinham insegurança alimentar. Espera-se que esse número aumente para até 50 milhões em 2021. 18

Desperdiçar comida tem repercussões ambientais & # 8230

Enquanto o movimento de desperdício de alimentos em toda a América está ganhando força, ele precisa ganhar velocidade para ajudar a resolver um dos problemas mais urgentes do mundo: as mudanças climáticas. O desperdício de alimentos tem consequências ambientais irreversíveis: desperdiça a água e a energia necessárias para produzi-los e gera gases de efeito estufa - 11 por cento das emissões mundiais - 12 como metano, dióxido de carbono e clorofluorocarbonos, que contribuem para o aquecimento global. Alimentos que se deterioram em aterros sanitários também produzem poluição por nitrogênio, o que causa o surgimento de algas e zonas mortas. De acordo com a World Wildlife Federation, a produção de alimentos desperdiçados nos Estados Unidos equivale às emissões de gases de efeito estufa de 37 milhões de carros. Se os americanos continuarem no mesmo caminho de perda de alimentos, o impacto ambiental pode ser desastroso.

… E repercussões econômicas também

Se reduzir a insegurança alimentar e salvar o planeta não são suficientes para inspirar ações para reduzir o desperdício de alimentos, talvez mais uma boa razão o faça: dinheiro. De acordo com a organização sem fins lucrativos Feeding America, os americanos desperdiçam mais de US $ 218 bilhões a cada ano em alimentos, sendo os laticínios o item alimentar que mais descartamos. A família americana média de quatro pessoas gasta US $ 1.600 por ano em produtos. 10 Multiplique isso pelos 18 anos típicos que uma criança vive em casa e você poderia facilmente pagar por um ano de mensalidade em qualquer número de faculdades ou universidades privadas da América.

O desperdício de alimentos contribui com 11% das emissões mundiais de gases de efeito estufa. 20

Resolver o problema cada vez maior de desperdício de alimentos exige soluções upstream que vão fundo na raiz do problema. A raiz é complexa e multifacetada, com os resíduos vindo primeiro das casas da América (43 por cento) e restaurantes, mercearias e empresas de serviços alimentícios (40 por cento), onde as pessoas jogam fora alimentos, seguidos por fazendas (16 por cento) e fabricantes (2 por cento ), onde muitos alimentos são produzidos. 13

Enfrentando o lixo e resolvendo o problema em casa

Então, como vamos lidar com o desperdício de alimentos na América? O desafio não é produzir menos alimentos, mas desperdiçar menos no processo. É assim que podemos começar:

Não interprete mal os rótulos de validade em alimentos que são perfeitamente bons para comer.

A Grocery Manufacturers Association, o Food Marketing Institute e a Harvard University uniram esforços para simplificar os rótulos de validade sobre a qualidade e a segurança dos alimentos. Duas frases simplificam como você pode saber o que ainda é bom para consumir: MELHOR SE USADO POR descreve a qualidade "onde o produto pode não ter o sabor ou desempenho esperado, mas é seguro para o consumo"

USADO POR aplica-se aos "poucos produtos que são altamente perecíveis e / ou têm problemas de segurança alimentar ao longo do tempo." 14

Aprenda a fazer compostagem para manter os restos de comida longe dos aterros sanitários e evitar que a quantidade de gases do efeito estufa aumente.

Congele alimentos que não podem ser consumidos imediatamente, mas podem ser consumidos posteriormente.

Compartilhe a riqueza.

Doe alimentos para despensas de alimentos ou entregue sobras para pessoas que possam precisar. Planeje refeições e faça listas de compras em supermercados. Frutas e vegetais com manchas e defeitos ainda têm o mesmo gosto e normalmente custam uma fração do custo. Além de economizar comida, você economizará dinheiro a longo prazo. Abrace produtos imperfeitos.

Planeje refeições e faça listas de compras em supermercados.

Frutas e vegetais com manchas e defeitos ainda têm o mesmo gosto e normalmente custam uma fração do custo. Além de economizar comida, você economizará dinheiro a longo prazo. Abrace produtos imperfeitos.

Reduzindo o desperdício em restaurantes da América

De acordo com o Bureau of Labor Statistics, a família americana média gasta mais de US $ 3.000 por ano comendo fora. Isso não requer apenas uma quantidade surpreendente de embalagens de plástico e utensílios, mas também produz uma grande quantidade de comida desperdiçada. A indústria de restaurantes gasta cerca de US $ 162 bilhões todos os anos em custos relacionados ao desperdício de alimentos. 12 Os pioneiros na indústria de reciclagem estão fazendo grandes avanços, mas ainda há muito que podemos fazer para progredir.

Seja atencioso e ponderado ao comer fora.

Reconheça que o tamanho das porções é diferente e peça apenas o que você sabe que será comido. Se você acabar com sobras de comida - e isso acontece muitas vezes com as enormes porções de comida americana de hoje - leve para casa para compartilhar com outra pessoa ou para desfrutar de outra refeição no dia seguinte.

Se você realmente deseja ser ecologicamente correto, leve seus próprios recipientes para levar para casa as sobras de comida. Você fará a sua parte na redução dos 150 milhões de toneladas de plástico descartável que usamos - e descartamos - todos os anos. 13

Reconsidere o modelo de restaurante em estilo buffet “all-you-can-eat” - e mentalidade.

Isso faz com que as pessoas tirem mais comida do que podem comer, e essa comida quase sempre é jogada fora sem pensar depois de encher um prato.

Siga um modelo global.

Alguns países ao redor do mundo estão à frente dos Estados Unidos no que diz respeito ao gerenciamento de resíduos alimentares. A França, por exemplo, exige que os restaurantes doem alimentos que correm o risco de ser jogados fora, mas que ainda são seguros para comer. Cidades na Suécia usam resíduos de alimentos para criar combustível para abastecer o transporte público de ônibus. Na Dinamarca, você pode usar um aplicativo para encontrar restaurantes e padarias que estão prestes a fechar e comprar o restante da comida por uma fração do custo.

Reduzindo o desperdício de alimentos em negócios comerciais

Quando se trata de desperdício de alimentos, residências e restaurantes não são os únicos contribuintes, as empresas comerciais também contribuem para o problema crescente.

Felizmente, muitas empresas estão notando. As empresas estão inovando em novas maneiras de usar resíduos de alimentos como ingredientes para outros produtos, estabelecendo planos de doação de alimentos ou implementando programas comerciais de compostagem.

The Real Dill, uma empresa de picles com sede em Denver, criou uma mistura de Bloody Mary com a água de pepino usada na preparação de seus populares picles. Hoje, a mistura é mais conhecida do que os pickles - e a pegada ambiental da empresa é ainda menor. Da mesma forma, a Wtrmln Wtr é uma empresa que pega melancias que normalmente seriam descartadas - e acabam indo parar em aterros sanitários - e cria um suco com os melões. As empresas não estão apenas criando produtos alimentícios e bebidas & # 8211 algumas estão pegando os resíduos alimentares das empresas e transformando-os em novos produtos, como a Ambrosia, que está transformando o lixo orgânico em um spray de limpeza chamado Veles.

As empresas estão inovando em novas maneiras de usar resíduos de alimentos como ingredientes para outros produtos, estabelecendo planos de doação de alimentos ou implementando programas comerciais de compostagem.

Transformar alimentos que, de outra forma, seriam desperdiçados em produtos reciclados é apenas uma maneira de as empresas comerciais reduzirem o desperdício de alimentos. Existem oportunidades para empresas comerciais doarem alimentos não utilizados como a Sodexo fez - doando todos os alimentos não consumidos para comunidades locais necessitadas. Todos esses são programas que apóiam o Desafio de Recuperação de Alimentos (FRC) da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA), que pede às organizações e empresas que “se comprometam a melhorar suas práticas sustentáveis ​​de gestão de alimentos e a relatar seus resultados”. Finalmente, as empresas também podem trabalhar com seus parceiros de transporte para estabelecer programas que garantam que seus produtos orgânicos sejam compostados em vez de enviados para aterros sanitários.

Semelhante a como podemos evitar o desperdício de alimentos em casa, trata-se de garantir que muitos alimentos não sejam comprados, redirecionamento (ou doação) de alimentos não utilizados que seriam desperdiçados e criar programas de compostagem para restos de alimentos que acabariam em aterro.

Alimentos são desperdiçados ao longo de toda a cadeia de abastecimento

Resíduos de alimentos agrícolas

Aproximadamente 30-40 por cento dos alimentos que os agricultores ao redor do mundo produzem nunca são consumidos. 21

Entre 21 e 33 por cento da água usada nas fazendas dos EUA é desperdiçada. 22

A perda de alimentos na fazenda depende de muitas variáveis ​​incontroláveis, incluindo o tipo e a qualidade da safra, o preço de mercado e a demanda do consumidor.

Se não houver mercado para uma determinada safra, é melhor para o meio ambiente para as fazendas arar as safras de volta à terra e perder antes de colher e empacotar os alimentos para entrar na cadeia de abastecimento. Se a colheita voltar para a terra, ajudará a produzir um solo melhor para as colheitas futuras, mas se o alimento não for consumido, na maioria das vezes acabará em um aterro, liberando gases de efeito estufa.

Fabricação de resíduos alimentares

O erro humano, incluindo a falta de procedimentos operacionais padrão e treinamento insuficiente, é a principal causa do desperdício de alimentos no nível de fabricação, sendo responsável por mais de 10% do desperdício de alimentos.

Alimentos que estão associados a uma alergia alimentar, como amendoim ou glúten, geralmente são desperdiçados devido a linhas de fabricação que precisam ser executadas várias vezes para produzir um produto livre de alérgenos.

O desenvolvimento de novos produtos cria desperdício de alimentos devido aos processos de produção pelos quais os fabricantes devem passar para coordenar os volumes corretos e a qualidade do produto. Desperdício de alimentos em supermercados Cerca de 30% dos alimentos em supermercados americanos são jogados fora.23 As lojas de varejo nos EUA geram cerca de 16 bilhões de libras de resíduos alimentares a cada ano. 24 Os alimentos desperdiçados no setor de varejo são avaliados em cerca de duas vezes o valor do lucro das vendas de alimentos. 25

Resíduos de alimentos em mercearia

Cerca de 30% dos alimentos nos supermercados americanos são jogados fora. 23 lojas de varejo nos Estados Unidos geram cerca de 16 bilhões de libras de resíduos alimentares todos os anos. 24 O desperdício de alimentos no setor de varejo é avaliado em cerca de duas vezes o valor do lucro das vendas de alimentos. 25

O que é a hierarquia de recuperação de resíduos alimentares?

Existem muitas maneiras de reduzir o desperdício de alimentos nos Estados Unidos e em todo o mundo - e graças à Hierarquia de Recuperação de Alimentos desenvolvida pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA), temos um sistema em camadas que prioriza a prevenção e, em seguida, o desvio de alimentos desperdiçados. Criados como uma pirâmide invertida, os níveis superiores da Hierarquia são os mais favoráveis, descendo até o último estágio de resíduos enviados para aterros. É assim que a hierarquia flui:

1. Redução da fonte

Isso remete à simples lição de "pegue apenas o que você precisa". Se comprarmos e criarmos menos alimentos, jogaremos menos fora. Trata-se simplesmente de reduzir o desperdício ao não criá-lo em primeiro lugar.

2. Alimente Pessoas Famintas

Grande parte da comida que jogamos fora é perfeitamente comestível. Com 50 milhões de pessoas que sofrerão de insegurança alimentar somente em 2021, isso é inaceitável. Bancos de alimentos e abrigos em todo o país receberiam bem os alimentos que muitos americanos jogam fora.

3. Alimentar Animais

Os humanos não são os únicos que precisam ser alimentados - nossos animais também precisam de alimento. Esses restos de comida que jogamos depois do jantar todas as noites - que certamente vão acabar em um aterro sanitário - podem ser guardados para alimentar animais de fazenda, evitando que mais desperdício de comida seja jogado fora desnecessariamente.

4. Usos Industriais

Você sabia que parte da comida que você joga pode ser usada para criar biocombustíveis e bioprodutos que podem abastecer seu carro? A terra forneceu energia alternativa na forma de sol e vento. Por que nossa comida não deveria ser mais uma forma de obter energia?

5. Compostagem

Quase no final da Hierarquia de Recuperação de Resíduos de Alimentos está algo que todas as pessoas são capazes de fazer: compostar seus resíduos de alimentos. A compostagem não apenas evita que os resíduos alimentares entrem em aterros sanitários (e criem ainda mais gases de efeito estufa), mas também melhora a qualidade do solo e da água que, por sua vez, ajudam as safras futuras a crescer.

6. Aterro / Incineração

Esta é a base da Hierarquia de Resíduos de Alimentos - e o último e último recurso para os resíduos que produzimos. Evitar essa camada começa com cada um de nós, evitando o desperdício no topo da camada - exatamente onde é proveniente e onde podemos tomar decisões diferentes sobre quanto pegamos, compramos e criamos.


A esta altura, você já deve ter percebido que esse problema é muito maior e merece mais atenção do que apenas ler um blog. Com esses fatos sobre a poluição dos oceanos em mente, desafio você a fazer algo a respeito hoje.

Somos todos responsáveis ​​por essa bagunça, e vai demorar tudo de nós para ajudar a limpá-lo.

Veja como você pode contribuir para reduzir a poluição marinha:

  • Sempre que vir lixo, independentemente do que seja, recolha-o e elimine-o de forma adequada.
  • Lembre-se: Reduza, Reutilize, Recicle. Reduza o uso de plásticos descartáveis. Reutilize embalagens de plástico quantas vezes puder. Recicle em vez de deitar fora.
  • Evite produtos com embalagens excessivas.
  • Traga uma sacola reutilizável para fazer compras (ou seja, mercearia, lojas de varejo, etc.)
  • Se você for comprar / usar um produto que contém um suporte de plástico para “embalagem de seis”, certifique-se de cortá-lo antes de descartá-lo. No oceano, esses anéis se expandem, muitas vezes enredando ou sufocando a vida selvagem.
  • Eduque as pessoas ao seu redor e não tenha medo de falar mal de seus amigos e familiares. As pessoas não podem mudar o que não sabem, então ajude a espalhar a palavra.

A poluição do oceano é apenas a ponta do iceberg. Aprenda como a Rubicon está trabalhando com organizações em todo o mundo para transformar a forma como o mundo lida com os resíduos em seu primeiro Relatório ESG anual. E se você é proprietário de uma empresa que deseja gastar menos tempo com o lixo e mais com sua empresa, os serviços de Relatórios de Sustentabilidade da Rubicon podem ser adequados para você.

Drew Brucker é gerente sênior de Brand & amp Digital da Rubicon. Para ficar à frente dos anúncios da Rubicon de novas parcerias e colaborações em todo o mundo, certifique-se de nos seguir no LinkedIn, Facebook e Twitter, ou entre em contato conosco hoje mesmo.


20 fatos sobre o desperdício de alimentos

O Dia Mundial da Alimentação é realizado em 16 de outubro. Nesse dia, reconhecemos a importância de garantir um abastecimento alimentar global sustentável, que ficará cada vez mais ameaçado com o aumento das temperaturas globais. Também precisamos estar mais atentos à imensa quantidade de comida que desperdiçamos. O desperdício de alimentos é um problema generalizado em todo o mundo, não apenas entre as nações desenvolvidas. Atualmente, mais de 800 milhões de pessoas sofrem de desnutrição severa, um pensamento chocante quando um terço de todos os alimentos destinados ao consumo humano são desperdiçados ou perdidos. O desperdício de alimentos afeta negativamente o meio ambiente, a economia, a segurança alimentar e a nutrição. Tratar com sucesso o problema continua sendo um grande desafio para os próximos anos. Aqui estão 20 fatos sobre o desperdício de alimentos que você precisa saber.

  1. Aproximadamente um terço dos alimentos produzidos que se destinam ao consumo humano a cada ano - cerca de 1,3 bilhão de toneladas e avaliados em US $ 1 trilhão - são desperdiçados ou perdidos. Isso é suficiente para alimentar 3 bilhões de pessoas.
  2. A água usada para produzir os alimentos desperdiçados poderia ser usada por 9 bilhões de pessoas em cerca de 200 litros por pessoa por dia.
  3. Os alimentos desperdiçados atualmente na Europa poderiam alimentar 200 milhões de pessoas, na América Latina 300 milhões de pessoas e na África 300 milhões de pessoas.
  4. O desperdício anual per capita dos consumidores está entre 95-115kgs por ano para europeus e norte-americanos, enquanto no sul e sudeste da Ásia é de 6-11kgs.
  5. A perda e o desperdício de alimentos são responsáveis ​​por cerca de 4,4 gigatoneladas de emissões de gases de efeito estufa anualmente.
  6. Se a perda de alimentos fosse um país, seria o terceiro maior emissor de gases de efeito estufa, atrás da China e dos Estados Unidos.
  7. Os países desenvolvidos e em desenvolvimento desperdiçam ou perdem aproximadamente a mesma quantidade de alimentos a cada ano, em 670 e 630 milhões de toneladas, respectivamente. Cerca de 88 milhões de toneladas disto estão apenas na UE.
  8. Dividindo por grupo de alimentos, as perdas e desperdícios por ano são de cerca de 30% para cereais, 40-50% para raízes e frutas e vegetais, 20% para sementes oleaginosas e carne e laticínios e 35% para peixes.
  9. Se 25% dos alimentos que atualmente estão sendo perdidos ou desperdiçados globalmente fossem salvos, seria o suficiente para alimentar 870 milhões de pessoas em todo o mundo.
  10. Em meados do século, a população mundial atingirá 9 bilhões de pessoas. Até lá, a produção de alimentos deve ser aumentada em 70% para atender a essa demanda.
  11. As perdas de alimentos se traduzem em perda de renda para os agricultores e preços mais altos para os consumidores, dando-nos um incentivo econômico para reduzir o desperdício de alimentos.
  12. Nos países em desenvolvimento, 40% das perdas ocorrem nas etapas de pós-colheita e processamento, enquanto nos países desenvolvidos, mais de 40% das perdas ocorrem no varejo e no consumidor.
  13. No varejo, grandes quantidades de alimentos são desperdiçadas por causa dos padrões de qualidade que super enfatizam a aparência - na verdade, metade de todos os produtos são jogados fora nos Estados Unidos porque é considerado "feio" demais para comer, isso equivale a 60 milhões de toneladas de frutas e vegetais.
  14. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU incluem a promessa de reduzir pela metade o desperdício global de alimentos per capita no varejo e no consumidor e reduzir as perdas de alimentos ao longo das cadeias de produção e fornecimento, incluindo perdas pós-colheita. do suprimento de água doce do mundo é usado para cultivar alimentos que nunca são consumidos.
  15. As promoções nos supermercados podem levar a mais desperdício de alimentos; podemos comprar mais alimentos dos quais não necessariamente precisamos, se pensarmos que estamos obtendo mais com o nosso dinheiro.
  16. De acordo com uma pesquisa realizada pela Respect Food, 63% das pessoas não sabem a diferença entre as datas de “consumo até” e “antes de”. Alimentos com datas de “validade” são perecíveis e devem ser consumidos antes da data indicada. Alimentos com datas "melhores antes" podem ser consumidos após a data indicada, mas não estarão em sua melhor qualidade.
  17. Às vezes, as safras não são colhidas porque não atendem à qualidade do supermercado, que geralmente é determinada pela aparência.
  18. Na Europa, 40-60% dos peixes capturados são descartados porque não atendem aos padrões de qualidade dos supermercados.
  19. Nos EUA, o lixo orgânico é a maior fonte de emissões de metano.

Esses fatos nos dizem que precisamos reduzir a quantidade de desperdício de alimentos que produzimos ou, pelo menos, aprender a reutilizar sobras de comida para alimentar humanos e animais ou para produzir energia e compostagem para fechar os ciclos de nutrientes. Esperamos que esses fatos sobre o desperdício de alimentos o tenham inspirado a repensar seus hábitos de consumo!


Embora existam 4 variedades principais de cacau cultivadas no mundo hoje - Criollo, Forastero, Trinitario e Nacional - Criollo e Forestero são as duas mais comumente vistas. Criollo é o cacau "original", vindo do México e da América Central, e é altamente valorizado por sua qualidade geral e incrível riqueza e profundidade de sabor. (É melhor você acreditar que é o que usamos em todos os Chocolate Rawmio!)

Os óleos naturais do chocolate (manteiga de cacau!) Têm um ponto de fusão muito distinto e único - 93 graus F, logo abaixo da temperatura normal do corpo humano. É por isso que o chocolate geralmente é sólido na mão, mas começa a derreter assim que entra na boca. A bem-aventurança é real.


10 fatos incríveis sobre o Google

Com uma receita de US $ 60 bilhões e uma média de 40.000 consultas de pesquisa sendo feitas no site a cada segundo, o Google é, sem dúvida, uma empresa de muito sucesso. No entanto, como todos os gigantes dos negócios, o Google começou humildemente com os fundadores Sergey Brin e Larry Page, então alunos de doutorado na Universidade de Stanford, com o objetivo de "organizar as informações do mundo". O que começou como um projeto de pesquisa cresceu mais tarde em todos os tipos de serviços relacionados à Internet e levantou fundos que deram à empresa a capacidade de obter dezenas de outras empresas. Alguns deles são YouTube, Keyhole, DoubleClick, Inc. (atualmente “Google Earth”) e GrandCentral (agora “Google Voice”), entre outros. E não é surpresa que a empresa tenha crescido tanto, muitos fatos sobre ela foram ocultados em sua própria avalanche de informações.
Listados abaixo estão dez fatos interessantes sobre o Google que a maioria das pessoas não tem ideia:

10. O nome do Google ocorreu por meio de um erro de digitação.


O Google é tão amplamente utilizado que seu nome tem sido visto como um verbo, que significa “pesquisar informações na Internet usando o mecanismo de busca Google”. Mas esse nome foi realmente conceituado em 1996 por acidente. David Koller, da Universidade de Stanford, disse que vários pioneiros do Google, incluindo os fundadores Sergey Brin e Larry Page, estavam conversando sobre possíveis novos nomes para a tecnologia de busca em rápido aprimoramento em que estavam trabalhando. “Googolplex” (10100) foi sugerido por Sean Anderson para aludir à grande quantidade de dados que o mecanismo de busca estaria cuidando, e Page sugeriu que usassem a forma abreviada, “googol”. Anderson então fez uma pesquisa para ver se a palavra ainda estava disponível no registro de nomes de domínio da Internet, mas escreveu acidentalmente “google.com”. Esse erro acabou sendo fortuito, como Page gostava do nome, e depois de algumas horas, os fundadores registraram “Google”.

9. O Google foi condenado a pagar uma mulher por uma imagem do Street View que mostrava parte de seu decote.


Milhões de usuários da Internet usaram o Google Street View para ter uma visão ampla de muitas ruas do mundo por meio da rede de câmeras fixas e móveis da empresa. Nonetheless, in October of 2014, a court in Montreal ruled that Google had to pay a woman for catching her in a image with “part of her breast exposed.” Street View cameras took a picture of Mary Pia Grillo, sitting in front of her house and was slightly leaning forward thus exposing her cleavage. From Grillo’s point of the story, she suffered from depression since her coworkers found the image and mocked her for it. Nevertheless, the court ordered Google to pay $2,250 to Grillo for violating her privacy rights, which the judge ruled Grillo hadn’t surrendered solely by being in a place where others could see her.

8. The company owns several domains that are common misspellings of “Google”.


This may look like they are trying to corner the market too far, however, the company really has a good reasons to purchase domains that are common misspellings of its name. After all “Google” is one of the most misspelled words in the search history. For instance, the most common misspelling, that is “Googel”, has more than 5,000,000 searches every month. And by purchasing the domain and redirecting the hits to “Google.com”, the comapny makes sure that errant typers end up on the intended site. In fact, Google even owns the numerical equivalent of its name, “466453. And just to be sure, the company has bought the domains of common misspellings of its other products such as “googel earh”, “googel maps”. “googel adsense”, and “googel translate”.

7. Google has launched a high altitude balloon project, which envisions worldwide Internet access.


While a lot are fast to put the label “The Age of the Internet,” in this era, the truth is that over two-thirds of the world’s population has not yet enjoyed ready access to World Wide Web. Enter Google with “Project Loon” that its goal is to launch a network of balloons that travel on the edge of space to make to possible for anyone to access internet as long as they are within range. To be more specific, each balloon can provide of larger than 1,000 kilometers with Internet service. In fact, the project successfully conducted an experimental launch of 30 balloons in New Zealand on June of 2013. Then after some time, on June 2014, Goggle had the ability to provide LTE internet access to select testers in Brazil.

6. Google provides its employees with the most amazing perks


Google has been named by Fortune as “The Best Company to Work For” for five years in the previous eight years, which includes 2014, and that should not comes as a surprise for those who know the perks that the company gives to its employees. Eric Schmidt, Google Executive Chairman, explains why the company tries its best to make sure its employees are happy:

The goal is to strip away everything that gets in our employees’ way. Let’s face it: programmers want to program, they don’t want to do their laundry. So we make it easy for them to do both.

If they want to fulfil the goal, Google pays its employees an average of $100,000 every year. In addition to salary, “googlers” (as Google employees are called) are able to enjoy having on-site doctors, eating three free, full meals and unlimited snacks daily, being allowed to bring their pets to work, getting free haircuts, earning achievement-based free massages, and leaving their toddlers in free on-site daycares, and many others.

5. The Google corporate headquarters is a spectacle itself


The company’s corporate headquarters, dubbed “The Googleplex” ( no doubt on the play on term “googleplex”), is really a sight to behold. Found in the Mountain View, Santa Clara County in California, once the company completes the 1.1 million square foot Bay View addition in 2015, it will be laying on 3.1 million square feet of property. However, even as the large expansion is yet to be finished, the site already shows dozens of noteworthy features, like a full T-Rex replica named “Stan” (with plastic pink flamingos strewn around it), a sculpture garden with famous key figures, the company’s own garden of vegetables named “The Google Garden,” and a lobby wall projection that shows what searches are being typed into Google from all over the globe in real time.

4. The first Goggle storage was encased in Lego and had a storage capacity of only 40GB.


Yes, only 40GB, the modern iphone has more storage capacity than it. This first Google storage, which can now be viewed at the Octagon of the new Jen-Hsun Huang Engineering Center, which was seen as a super machine at the time in spite of only containing only ten 4-GB disk drives. It algorithms were made on a couple of computers provided by a special project at Stanford University and was made to allow the system to crawl the web to get its one of a kind link structure. Quite amusingly, the housing for the disk drives was created out of Lego blocks since the structure was easily expandable if they had to add more storage. Also, the machine demonstrates that even in its prime days, Google had a sense of humor as min-figures, also created out of Lego, were added as decor on top of the housing.

3. Google employs goats to keep its fields neat


Google is proud of going green whenever they can, and the company really took a step to achieve that through hiring goats to keep the turf around Googleplex looking tidy and neat. To be more specific, Google contracted California Grazing to bring in a herd of 200 goats (and a goat-herder border collie) to trim down the weeds and scrublands at its Mountain view complex, a move seen as greener than using petrol mowers. On average, the goats stay for a week at a time at the Googleplex, and they leave the area looking as if it had been professionally groomed. “It costs us about the same as mowing, and goats are a lot cuter to watch than lawnmowers,” was the explanation given by Dan Hoffman, Google’s Director of real Estate and Workplace Services.

2. Google’s formal corporate motto is “Don’t be evil.”


The most popular story about how Google’s corporate motto became “Don’t be evil” says that Google employee Paul Butcheit suggested it at a 2000 or 2001 meeting about corporate values. Butcheit later explained that the slogan was “a bit of jab at a lot of the other companies,” especially their competitors, who Google saw that they were “exploiting their users to some extent.” But the motto has been used by critics as an attacking point. For instance, in 2012, when Google announced that they would no longer be maintaining a strict separation between advertising and search results, Microsoft, its competitor, charged that Google had left the spirit of its slogan.

1. The Google search bar can be used as more than just a means of conducting searches


It obvious that Google’s search bar is normally a way of carrying out searches, but Google designers have added in lots of other features that go from the amusingly useful to utterly silly. For instance, if you type into the google bar equations, Google search provides a calculator to users that give the answer to the problem. Meanwhile, writing in “[food]” vs. “[food>” (for example, rice vs bread) shows a relevant nutrition comparison table. There is also the “define: word”, feature which makes Google an online dictionary. Of course, with the playful feature of the company, the designers have added a couple of crazy features: typing in “tilt”, “do barrel roll,” and “google in [year]” bring up entertaining effects, while writing in “zerg rush” or do an image search of “atari breakout” gives users the power to waste more than just a couple of minutes of idle time.


Key figures

The most important key figures provide you with a compact summary of the topic of "Food Shopping Behavior" and take you straight to the corresponding statistics.

Grocery Shopping Online

U.S. online grocery sales 2018-2023

E-commerce food & bev industry penetration pre and post pandemic U.S. 2000-2025

Top online grocery retailers among U.S. consumers 2018

Food Expenditure

U.S. household food expenditure on average 2000-2019

Average annual food at-home expenditure of U.S. households 2000-2019

Grocery shopping: U.S. consumers' expenditure per week 2006-2019

In store shopping

How grocery buyers react to a slow checkout experience U.S. 2018

Most visited stores for grocery shopping in the U.S. 2019

Important in-store grocery attributes to U.S. consumers 2019

Purchase decision making

Factors influencing food purchase among consumers in the U.S. 2018

Product labels that appeal to U.S. consumers 2018

U.S. consumer willingness to pay more for added benefits in food by generation 2018


Top 10 Mind blowing facts about guinea pigs

Guinea pigs are South American rodents that have no tails. Many people assume that these animals belong to the family of pigs, but it is not so. Guinea pigs are domesticated species, and they have been used as home pets or pocket pets, just like Chinchillas or Sugar gliders, from as early as 16 th century onwards. Read on to know more about the top 10 facts about guinea pigs, to be better informed about these pets and care for them in the best possible way.

Best Guinea Pigs guide for beginners.

Discover the top secrets about how to take good care of your new pet guinea pig.
Guinea Pigs (Complete Pet Owner’s Manuals).

10- Guinea pig origin

Guinea pigs are actually neither pigs nor are they from Guinea as people think. They are originally coming from the Andes Mountains in South America. They belong to the rodent family, but their body structure is far fatter and stouter than the usual rodents. Their physical structure is quite similar to pigs, which is why they are named as guinea pigs.

9- Guinea pig Cage and bedding

Guinea pigs are pets that love to roam around freely. They need a lot of space to remain active. You have to remember that they need cages that are far bigger than what you would usually buy for other rodent pets. When you buy cages from a pet store or online, you should specifically choose the ones that are designed for guinea pigs, so that you can be assured of getting a cage that is big enough for your pets.

Fleece and paper-based beddings are great choices when you are looking for a comfortable bed for your pets. In the earlier days, wood shavings were used as bedding options, but veterinarians have confirmed that these cedar and other wood shavings can cause a lot of damage to the pets. Therefore, now, fleece is the most popular guinea-pig bedding material used by many pet owners. They urinate and excrete a lot. Therefore, they need material that absorbs the waste well. You can also wash the fleece bedding easily.

8- Guinea pig Popcorning

Have you seen your guinea pigs hop up and down with a lot of excitement? As a new pet owner, you might be surprised and worried to see this behavior from your pets. However, rest assured knowing that this is not a cause of concern at all. Guinea pigs keep jumping up and down many times, only when they are happy about something. Closely observe their actions, and you will be thrilled to note that they do this when you are back from a long trip or when they have missed you a lot.

7- Guinea pig Proper Diet

You need to feed Vitamin-C rich food to your guinea pigs. They need Vitamin C intake every day for their overall growth and development. Most of the guinea pig supplements found in the pet store are fortified with Vitamin C to help the pets get their nutritional dose properly. Timothy hay is a great option to feed your pets, as these small animals love the roughness of the hay. Ensure that you don’t feed them sugars and other treats because they can easily cause gastrointestinal problems in guinea pigs.

6- Very communicative – verbally and non-verbally

Guinea pigs are pets that demand a lot of time and attention from you. When they are cared for properly, they can live up to 8 years. This means they need a long-term commitment from you. They are very social animals, and they love to chat with you through different sounds and gestures. One of their favorite sounds is weeking . They make strange sounds and very chatty animals. More often than not, they make weeking sounds when they are hungry.

Sometimes, you might notice your guinea pig startled. During those times, the pet stands motionless. This freezing position indicates that the pet is scared about a potential danger that it has noticed. They also sniff a lot, as they are very curious about their surroundings and the people who enter its area.

5- They are very social

Guinea pigs that aren’t domesticated always live in herds. You can find at least 5 guinea pigs in a group. They love to play and communicate with each other in different sounds and non-verbal gestures. So, when you are thinking of getting one of these as a pet, you should always think of buying more than one. They grow and develop well when they have company.

4- They are coprophagic

Are you wondering what coprophagic means? It means they own excreta! As weird as it sounds, guinea pigs have the habit of eating their own poop in a bid to utilize the nutrients in their foods, to the maximum extent possible! If you see your pet eating its poop, don’t feel embarrassed or worried. It is a very natural process, and the digestive system of the guinea pig is well-equipped to handle this.

3- Continuous growth of teeth

Guinea pigs witness continuous teeth growth all through their lifetime. Therefore, they need to be properly cared for. You have to ensure that you have enough chew toys spread out all over the cage of these pets so that they have something safe to munch on to, whenever they feel the need to bite. When they don’t give proper exercise to their teeth, they feel acute pain when the teeth grow through the cheek muscles.

2- They bite rarely

Though guinea pigs are very friendly and warm animals, they may bite you occasionally when they are disturbed. When you stroke or pet them too much, it may cause extreme discomfort for them, especially, when they already have mites or other skin ailments. Sometimes, they may also bite you when they are scared or threatened.

1- Regular health checks are a must

Though they love your attention, guinea pigs don’t want you to know when they are sick or uncomfortable. So, they hide their ailment from you. So, it becomes very important for you to take them for regular health checks to spot issues and diseases if any.


10 Mind-Boggling Facts About Canada

If you’ve ever had to chisel your car out of a block of ice on your way to work or wear a thermal nose-warmer, you know Canada can get pretty cold in the winter. The average low for the month of January in Ottawa, Ont. is -14.4 C (6.1 F). That’s pretty cold. However, a temperature recorded in 1947 in Snag, Yukon makes the rest of Canada’s winter weather seem like a beach vacation. A temperature of -63 C (-81.4 F) was recorded in the small village of Snag on Feb. 3, 1947. That’s roughly the same temperature as the surface of Mars.

Three Million Lakes
Canada has a lot of great things in abundance, like hockey players, parkas and Tim Hortons franchises. But did you know we also have more lake area than every other country in the world? It’s true. The Great White North has 563 lakes larger than 100 square kilometres. The Great Lakes alone contain about 18 per cent of the world’s fresh lake water. That’s a lot of water. Makes you wonder if all of our country’s allies are actually just thirsty.

Bigger Than the European Union
Ever had someone ask you if you know Joan from Vancouver or Paul from Toronto when you told them you were from St. John’s? The vastness of our great country seems to be a little known secret to outsiders. Here are some facts to put Canada’s size in perspective: It’s bigger than the entire European Union (33 times bigger than Italy and 15 times bigger than France), more than 30 per cent larger than Australia, five times as big as Mexico, three times as big as India and about the same size as 81,975 Walt Disney Worlds put together. So, in other words, no, you don’t know Joan or Paul.

Northernmost Settlement
At the northern tip of Ellesmere Island, just 817 kilometres from the North Pole, you’ll find the northernmost permanently inhabited place in the world: Alert, Nunavut. It might not have malls or movie theatres but Alert is the temporary home to military and scientific personnel working in the area. The temporary home part will make sense once you see how cold this place gets: the warmest month, July, has a balmy average temperature of 3.4 C (38.1 F). By January, the coldest month, the mean temperature has plunged to -32.19 C (-26 F). No wonder they named it Alert.

The Longest Coastline
If you walked and walked and never stopped — not to eat, not to rest your feet, not to get some sleep— it would take you four and a half years to walk the length of Canada’s coastline. While our country might not conjure up images of blue waters and white sandy beaches, Canada has the world’s longest coastline, bordered on three sides by three different oceans: the Atlantic, Arctic and Pacific. To put that in perspective, Canada has 202,080 of the world’s total 356,000 kilometres of oceanfront property. The only other country that even comes close is Indonesia, which has 54,716 km of coastline.

10% of the World’s Forests
Sure, everyone knows we have a lot of trees but did you know that Canada actually has 30 per cent of the world’s boreal forest and 10 per cent of the world’s total forest cover? An incredible 396.9 million hectares of forest and other wooded land can be found across the country — about 68 per cent of Canada’s forests are coniferous. The best part of all? Most of Canada’s forest land is publicly owned.

The Only Walled City in North America
Quebec City has a special feature that makes it unique in Canada (and the U.S., for that matter): it has walls. No, really, Quebec City is the only city north of Mexico that still has fortified walls — known as the Fortifications of Quebec. First the French and later the English built up Quebec City’s fortifications between the 17th and the 19th centuries. Quebec’s entire historic district, including the ramparts, has since been declared a World Heritage Site by UNESCO.

The Most Bitumen
It’s thick, it’s sticky and Canada has an estimated 176.8 billion recoverable barrels of it. That’s right, crude bitumen — a semi-solid source of petroleum — is available in abundance in Canada’s oil sands. There’s an estimated 249.67 billion accessible barrels of the black stuff in the world and Canada has about 70.8 per cent of it — four times more than Kazakhstan and six times more than Russia.

National Parks Bigger Than Countries
Canada is so big that even our parks are bigger than countries. Just look at Nahanni National Park Reserve in the Northwest Territories: not only is it a sight to behold with massive waterfalls, it’s also an incredible 30,050 square kilometres — bigger than Albania and Israel. Wood Buffalo National Park in Alberta and the Northwest Territories is even bigger at 44,807 square kilometres, which makes it bigger than Denmark and Switzerland.

North America’s Strongest Current
Get out your lifejacket and be ready for the swim of your life if you ever visit Seymour Narrows in British Columbia. The stretch of the Discovery Passage has some of the strongest tidal currents ever measured with flood speeds of 17 km/h and ebb speeds of 18 km/h.


Assista o vídeo: JC Debate sobre Desperdício de Alimentos - 15052014 (Agosto 2022).